Estou ciente de que os dados fornecidos são exclusivamente para cadastro mencionado no formulário. Após finalização, os dados serão armazenados pela Contabs Assessoria Empresarial, de forma segura, apenas com a finalidade de manter histórico de atividades realizadas e sem hipótese de transmissão a terceiros, conforme Lei Nº 13.709 - Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD) Para mais informações, você pode visitar nossa Política de Privacidade.
HÁ MAIS DE 30 ANOS NO MERCADO




Controladoria Fiscal e Administrativa dentro das empresas


Dados divulgados pelo governo federal apontaram que, apenas nos quatro primeiros meses de 2021 foram abertas quase 1,4 milhão de empresas, um aumento de 17,3% em comparação com o mesmo período de 2020. Aos poucos a economia é retomada, tanto que apenas em junho o investimento das empresas em novos projetos, infraestrutura, compra de máquinas e ampliação de produção cresceu 17% em relação ao mesmo período do ano passado.

 

Novos tempos pedem novas soluções e é de extrema importância ter uma empresa ajustada quando o assunto é controladoria. O controller pode ser interno ou externo, mas sem dúvidas o melhor é optar pelo segundo perfil, já que um profissional terceirizado têm uma bagagem maior de experiência e geralmente conta com o apoio de um time externo. Isso sem dizer de contar com uma opinião isenta e um olhar ‘de fora’, facilitando a proposição de soluções inovadoras.

A função de controladoria pode ser realizada principalmente em duas áreas da organização: fiscal/ contábil e administrativa.

Na primeira opção o controller é responsável por todas as atividades relacionadas à área fiscal, incluindo a realização da contabilidade gerencial e de atividades financeiras dentro da empresa. Um controller financeiro geralmente se reporta ao CFO de uma empresa.

 

As funções incluem também supervisionar os relatórios financeiros e executar as funções relacionadas ao controle da área trabalhista. Sua atuação é semelhante a de um maestro, já que rege os times para que trabalhem juntos, em harmonia e buscando os mesmos objetivos.

No ‘job description’ de um controller se incluem outras tarefas, entre elas a preparação de orçamentos e o gerenciamento de cronogramas importantes em toda a organização. Isso inclui a coleta, análise e consolidação de dados financeiros. Embora o controller nem sempre tenha um budget próprio, sua posição monitora as variações, resume as tendências e investiga as deficiências orçamentárias, relatando as variações de orçamentos ou despesas para a gerência.

Já na área administrativa o profissional não será responsável pelas áreas fiscais e financeiras, mas dará uma visão mais estratégica e plural do negócio como um todo. Ele entende e acompanha todos os trabalhos realizados dentro da organização.

 

Participa não só do planejamento de atividades, metas e planos, como também está próximo da sua execução, justamente para que não se perca a continuidade dos processos e passos de cada projeto. É uma ferramenta gerencial, já que potencializa os esforços dos times e possibilita que os colaboradores pensem em estratégias diferentes e inovadoras.

É seu trabalho zelar pelo bom andamento da empresa, gerenciando o relacionamento de todas as áreas, principalmente levando em conta o orçamento e os objetivos da organização. Esse profissional inclusive coleta os dados de cada setor (número de vendas, investimentos e custos) para o desenvolvimento do próximo planejamento orçamentário.

 

O controller administrativo também pode participar no recrutamento, seleção e treinamento de pessoal. O cargo exige avaliação dos resultados do trabalho, liderança dos colaboradores e execução de ações disciplinares, conforme necessário.

Deu para perceber a diferença entre o trabalho desses dois tipos de controller e o quanto esse tipo de profissional pode ajudar empresas dos mais diversos tipos e situações econômicas? Em organizações com dificuldades esse profissional terá um olhar inovador, ‘arrumando a casa’ e encontrando pontos de melhoria, enquanto em outras ele poderá ajudar a organizar e preparar a empresa para crescer e se tornar líder de mercado, por exemplo.

Pense neste assunto, é o futuro da sua organização que está em jogo!

por Umberto Tedeschi, CEO da Abile Consulting Group, embaixador da Leader X e chairman of the board da Agência Brasileira de Inovação e Desenvolvimento Sustentável (Abids). 
Fonte: JornalContábil | 25/11/2021